A comunicação empática acontece quando nos colocamos no lugar do outro. Ela é ocorre entre os interlocutores, em um determinada conversa. Aqui a empatia é fundamental.

Um dos principais traços dos indivíduos enquanto relacionamentos interpessoais ocorre através da comunicação. Que é a forma como transmitimos um mensagem, informação ou mesmo sentimento para outros. 

No ambiente corporativo muitas vezes os membros do grupo ou equipe acreditam que estejam se comunicando adequadamente. Porém muitas vezes estão apenas informando. Sendo assim, somente informar não garante que o outro entenda o que você quis dizer. No processo de comunicação é essencial que ocorra uma troca.

A comunicação interpessoal em várias formas não somente o modelo oral e escrito que estamos adaptados em nosso cotidiano. A comunicação nem sempre é verbal. Assim, a comunicação não-verbal também é muito importante neste contexto. Através por exemplo, de gesticulações, assentimento, postura entre outros. 

Como surge a comunicação empática?

No cenário atual onde cada vez mais os ambientes se tornam competitivos e estressantes. Desta forma entender o outro é obrigatório. Surge outro fator de suma importância para a boa comunicação interpessoal a empatia.

Assim surge a comunicação empática. Que envolve o compreender de modo desinteressado. Entender o outro independentemente de das diferenças, crenças e culturas. Além de comunicar considerando o interlocutor, segundo seu nível de conhecimento, relevância para com a mensagem.

A comunicação empática, também pode ser chamada de comunicação não-violenta. Uma vez que em um ambiente competitivo, é comum utilizarmos de meios mais agressivos para nos comunicarmos. Além disso, parte da premissa de quatro componentes essenciais, conforme abaixo:

1 – Observação: Consiste em observar o que realmente acontece em uma situação, sem realizar julgamentos. Saber expressar de forma adequada quais as coisas que as pessoas fazer que nós gostamos ou não, se o que o outro diz faz diferença para vocês.

2 – Sentimento: É comprovar como nos sentimos no momento da comunicação. Se estamos frustrados, alegres, irritados por exemplo.

3 – Necessidades: Esse componente apresenta quais necessidade o sentimento que identificamos nos leva a ter naquele momento.

4 – Pedido: Esse é o último componente que é o que esperamos que a outra pessoa faça a partir da comunicação realizada.

Principais premissas para uma comunicação empática. 
Grupo de pessoas em uma reunião em torno de um sofá.

Principais premissas para uma comunicação empática

Além dos elementos apresentados anteriormente para que a comunicação empática aconteça. É importante considerarmos algumas premissas que podem ser úteis para criar uma aproximação melhor entre as partes. Deixando a comunicação fluir, são elas: 

1 – Ouvir sem julgamento ou preconceito: 

Para que ocorra empatia é importante que não exista preconceitos. Deve-se estar aberto e disposto a ouvir e cogitar mudanças de perspectivas, uma vez que podem haver outras possibilidades além das suas convicções; Sendo assim, todos tem direito a palavra, independente das suas crenças.

2 – Compreender o que o outro está dizendo: 

Como já falamos anteriormente somente ouvir não é suficiente é essencial compreender o que o outro está dizendo. Para isso é necessário estar presente realmente a conversa, prestar atenção aos gestos, valores e sentimentos envolvidos na comunicação.

3 – Valorizar as opiniões: 

Para que ocorra empatia precisa ter respeito e valorização. Assim todas as opiniões devem ser ouvidas. Mesmo se foram contraditórias as suas, na comunicação empática busca-se um ambiente mais saudável e harmônico onde todos possam opinar e ter suas opiniões valorizadas.

4 – Se fazer entender: 

É importante ser claro e objetivo. Para que ocorra a comunicação empática é essencial que o entendimento ocorra de ambas as partes, seja coerente e direto, sem deixar de ser cortes e gentil.

5 – Utilizar os feedbacks tornar sua comunicação empática

Através dos feedbacks é possível saber se o que está sendo comunicado está sendo recebido da maneira correta. Assim essa ferramenta é essencial para a eficácia da comunicação empática.

Condutas que bloqueiam a comunicação empática

Existem algumas maneiras que utilizamos para nos comunicar que acabam bloqueando a comunicação empática. Elas por sua vez, devem ser evitadas para que tenhamos uma boa comunicação. Vejamos algumas destas condutas:

#  Julgamentos moralistas: 

Quando utilizamos uma forma impessoal para transmitir a mensagem. Que pode caracterizar uma crítica, humilhação, por exemplo, vejamos o caso abaixo:

“O projeto que você entregou está muito ruim, não tem como entrega-lo ao cliente”

Poderia ser substituído por:

O seu projeto precisa de alguns ajustes. Podemos analisar juntos como melhorá-lo?”

# Exigências e comparações com outras pessoas: 

Quando utilizamos de exigências, ofensas para conseguir do outro o que precisamos, através da manipulação e agressividade. Por exemplo:

“Você é muito lento, preciso que me entregue o relatório hoje, tem meia hora para deixa-lo na minha mesa”

Poderia ser substituído por:

“O prazo do relatório está se encerrando, é importante conclui-lo hoje, se precisar de auxílio pode me chamar”

# Negação da responsabilidade: 

É quando atribuímos a causa de algum problema a agentes externos ou realizando referência a história ou experiências passadas afim de nos livrarmos da responsabilidade. Por exemplo:

“Não me orientaram direito, por isso não conclui o relatório”

Ao invés de

“Não compreendi o que precisava ser feito, por isso não concluí o relatório”

A comunicação empatia requer esforço de ambas as partes para que aconteça. Contudo a partir do momento em que ela se torna rotineira, as relações interpessoais melhoram. Além disso, as pessoas tornam-se mais produtivas e o ambiente fica mais agradável e assertivo.

Agora que você já entendeu sobre a comunicação empática, compartilhe sua opinião conosco. Como está a comunicação na sua empresa? Deixe seu comentário!

Imagens: Reunião,

Deixe uma resposta